A PRINCÍPIO FALTA PRINCÍPIO.

E comum ouvirmos as pessoas falarem “A princípio…”, complementando com frases totalmente sem princípio. Para entendermos o que acabo de escrever, devemos buscar o significado da palavra princípio.

Segundo o Dicionário “Aurélio”: Princípio s.m.  Começo, origem, fonte. / Física. Lei de caráter geral que rege um conjunto de fenômenos verificados pela exatidão de suas conseqüências: princípio da equivalência. / &151; S.m.pl. Regra da conduta, maneira de ver. / Regras fundamentais admitidas como base de uma ciência, de uma arte etc.

(http://www.dicionariodoaurelio.com/dicionario.php?P=Principio).

Então podemos observar que a pessoa está partindo do princípio de que diz uma verdade ou uma regra que os ouvintes não poderão contestar. Mas o que pode fazer o desafortunado interlocutor ao perceber que o que se segue ao “A princípio…” é uma total irracionalidade. Por exemplo: Partindo do princípio de que ele era bom, as acusações são falsas. Ora isto não faz sentido, pois imaginem que ele era Hitler e o consideramos bom porque acreditava em Deus. Apesar de estarmos diante de um total absurdo, não conseguiremos convencer o inteligente orador de sua inconsistência, pois poderemos ser acusados de não acreditar em Deus.

Isto parece absurdo? Mas é exatamente o que acontece com pessoas que não aceitam questionar suas crenças. O mais paradoxal disso é que se dizermos que a pessoa está equivocada, ela se enfurecerá e nos acusará de ser ateu. Outro absurdo, porque ser ateu só é crime na cabeça de quem é intolerante. O oposto também acontece, tenho um amigo que se diz “ateu praticante” e acha que quem acredita em Deus é idiota. Ele está partindo do princípio de que Deus não existe, isto é, de um dogma, que é exatamente o motivo pelo qual ele chama quem acredita em Deus de idiota.

Então a princípio, isto é, a bem da verdade, estamos diante de uma falta de princípios. Estamos diante de uma ausência de algo que possa ser aceito como verdade. Se o que falei não acontece, também estarei usando indevidamente o “a princípio…”.

Mas como alguém poderá então saber se devemos ou não devemos aceitar um princípio? O primeiro passo é demonstrar sua validade lógica. O segundo é testar se ele pode ser considerado verdadeiro, para todos que estarão sujeitos a adotá-lo como lei. Sei que ficou difícil entender, por isto resolvi criar uma lei, que só está abaixo de princípios aceitos como verdade que por sua vez está abaixo da verdade. Chamo de lei, porque está acima dos meus direitos. Diz a Lei de Milton.

 

Lei de Milton – Lei de busca da verdade

Esta lei estabelece uma hierarquia para a busca da verdade, incorrendo em crime seu não cumprimento por ação, omissão, bem como pela indução ao seu descumprimento. A busca da verdade deve respeitar a seguinte hierarquia:

1)        Verdade.

2)        Princípio.

3)        Lei.

4)        Direito.

 

Parágrafo único

Incorre em crime contra a humanidade aquele que, intencionalmente, manipular esta hierarquia.

Anúncios

2 Respostas para “A PRINCÍPIO FALTA PRINCÍPIO.

  1. É interessante. No Direito, quando queremos formular um enunciado, no qual não existe apenas uma opção de realidade, no qual acontecem exceções, afirmamos: “em princípio”. Exemplifico. Responsabilidade Civil é a obrigação de reparar um dano causado, ele decorre “em princípio” de um ato ilícito, porque pode também decorrer de ato lícito, mas, nesta hipótese (a segunda) deve haver previsão legal, ou seja, a responsabilidade civil tanto pode decorrer de ato ilícito (regra geral) quanto de ato lícito (a exceção).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s