Relativismo Absolutista

Tenho me questionado sobre quais seriam as causas do atual estado de emburrecimento geral, com o abandono das mais instintivas bases lógicas? Por que vivemos perdidos esperando que “alguém faça alguma coisa”, quando não encontramos razão para as coisas mais óbvias? Acredito que encontrei um motivo bem importante, o chamado “relativismo”.

Conforme o site Wikepedia. “O relativismo, dessa forma, leva em consideração diversos tipos de análise, mesmo sendo análises aparentemente contraditórias. As diversas culturas humanas geram diferentes padrões segundo os quais as avaliações são geradas. Max Weber, em suas obras sobre epistemologia, abre espaço para o relativismo nas ciências da cultura quando diz que a ciência é verdade para todos que querem a verdade, ou seja, por mais diferentes que sejam as análises geradas por pontos de vista culturais diferentes, elas sempre serão cientificamente verdadeiras, enquanto não refutadas.”

Claramente podemos observar que o relativismo, seguido por Karl Marx e outros, impõe a inversão do ônus da prova a toda a sociedade. Na prática elimina o princípio da precaução, tão caro ao ambientalismo, ao direito e, em especial aos tão criticados “conservadores”. Os “cientistas” decretam o que é verdade e temos que aceitar se não pudermos contestar. Um exemplo clássico é o da indústria dos transgênicos e agrotóxicos, que saem implantando o que seus “cientistas” dizem que é bom e toda a sociedade tem que correr atrás para provar que está sendo prejudicada, quando consegue, a indústria já lançou um novo produto em substituição ao primeiro. A sociedade é obrigada então a começar do zero para provar que o novo produto é prejudicial.

Na medicina então, quando um médico procura um caminho alternativo ao do “alto clero médico”, as consequências podem ser terríveis. Um bom exemplo é a história do Dr. BURZYNSKI, que pode ser vista no endereço https://www.youtube.com/watch?v=z_YWHso4B-M.

Assim com poucos exemplos podemos observar que na prática, com o advento do relativismo, tiramos os religiosos e os filósofos, como referência para a sociedade, e colocamos a ciência, como autoridade máxima no assessoramento do Estado. Então se no passado o Estado era respaldado pela “Igreja Oficial”, hoje é respaldado pela “Ciência Oficial”. Em ambos os casos quem define quem é “Oficial” é o próprio Estado.

Talvez se refletíssemos, com mais cuidado, observaríamos que o Estado mais científico que temos conhecimento, foi o Estado nazista de Hitler. Mas não creio que alguém queira encarar esta verdade, principalmente porque ela nos levará a perceber que o relativismo, que muitos tanto apreciam, foi fundamental para os estados mais sanguinários da história.

Não entendo como podemos colocar uma distorção deste tamanho em nossa sociedade, uma aberração ideológica que nega a existência da verdade, do certo e errado, ou pelo menos do melhor e do pior, na qual não existe ética e absoluto é apenas o “poder”. Só posso definir esta “cultura” como “Relativismo Absolutista”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s