MENSAGEM AOS FORMANDOS – FAFOPA 2015.2

“Mensagem dirigida aos formando da Faculdade de Formação de Professores FAFOPA – Turma 2015.2”

Vivemos num tempo em que o relativismo moral destrói dia após dia os valores fundamentais da sociedade. A ausência de referências leva as pessoas, em sua maioria, a se perderem em um mundo caótico, no qual tudo é qualquer coisa e nada é coisa alguma. Mas, de professores, o mínimo que se pode esperar é que não sejam como o maioria das pessoas, para que possam se tornar referências neste turbilhão de futilidade que nosso mundo se tornou.
Desta forma não poderia deixar passar a oportunidade de dizer algumas palavras ao formandos, em especial aos de Licenciatura em Física, dos quais fui Coordenador e professor, desde o primeiro período.
Amit Goswami, PhD em física quântica e professor emérito nos Estados Unidos, escreveu: “Um nível crítico de confusão satura o mundo contemporâneo. Nossa fé nos componentes espirituais da vida – na realidade vital da consciência, dos valores e de Deus – está sendo corroída sob o ataque implacável do materialismo científico. Por um lado recebemos de braços abertos os benefícios gerados por uma ciência que assume a visão mundial materialista. Por outro, essa visão, predominante, não consegue corresponder às nossas intuições sobre o significado da vida… As atribulações em que vivemos alimentaram a exigência de um novo paradigma – uma visão unificadora do mundo que integre mente e espírito na ciência. Nenhum novo paradigma, contudo, emergiu até agora.”
Cito estas palavras neste momento, para lembrá-los de que a ciência, mesmo com todas as suas conquistas e tendo nos trazido desenvolvimento tecnológico, nunca nos poderá dar alento a alma, aquela centelha divina que, quando contemplada de coração, faz a mais refinada e desenvolvida tecnologia, parecer um conjunto de arco e flecha. Esta centelha divina produz cada um de nós, com nossas dúvidas e convicções, angústias e entusiasmos, tristezas e alegrias.
Sei que diante destas palavras alguns podem se perguntar: então para que estudei tanto? Por que ainda me sugerem fazer pós-graduação, mestrado, doutorado? Gostaria de tentar esclarecer isto usando uma analogia. O estudo lhe mostra como fazer as coisas, mas só sua consciência poderá lhe dizer que coisas fazer e que coisas evitar que sejam feitas. Ao adquirir conhecimento é como se você tivesse feito um curso de pintura, aprendido as técnicas e comprado seu material básico. Isto não fará de você um artista, mas sim o que você criará com este aprendizado básico. Você tem tudo que precisa para fazer uma obra de arte, mas poderá fazer ou não.
É isto que o seu curso lhes proporcionou, as ferramentas para exercerem a profissão de professor. A partir de agora vocês fazem parte do grupo de pessoas que fornecem estas ferramentas básicas aos estudantes, para que eles possam expressar suas potencialidades, cada um em sua maneira única.
Como diz o livro do Filósofo Armindo Moreira “Professor Não é Educador”, por isto não queiram ser educadores dos filhos alheios, em hipótese alguma tentem modelar o pensamento e o comportamento de seus alunos e, principalmente, não aceitem que o respeito aos semelhantes seja relativizado. Nunca deixe dúvida onde não existe: 2+2 é igual a 4 e ponto. Ao mesmo tempo não queira impor como regra a ser seguida as elucubrações da mente humana: evolucionismo, criacionismo, materialismo, etc, são tão somente conjecturas da mente humana, para tentar explicar a existência, mas não são fenômenos da natureza em si.
Infelizmente teorias como a teoria crítica e outras, inverteram os valores e a lógica de tal sorte que vivemos em um mundo absurdo onde querem que os filhos eduquem os pais e os alunos ensinem os professores. Onde os bandidos são considerados vítimas da sociedade e as vítimas consideradas opressores. Honestidade passou a ser considerada uma fraqueza e a manipulação desonesta motivo de orgulho.
Não digo isto para desanimá-los, mas para pedir que não se tornem este tipo de profissional que tem medo da vida, tem medo de enfrentar a realidade com firmeza. Pois, como disse o ator Bruce Lee, “Esperar que a vida lhe trate bem porque você é uma boa pessoa, é como esperar que um tigre não lhe ataque, porque você é vegetariano”.
Por isto creio que nós devemos escolher: ser senhores de nossas vidas ou vítimas de nossos temores. Peço que façam a escolha certa!
Finalmente, seria muito bom se eu pudesse usar destas palavras para dizer que a vida é maravilhosa e que a vida é simples. Por este motivo digo exatamente isto para vocês. A vida é uma dádiva maravilhosa, na qual temos a oportunidade de mobilizar elementos da natureza material, para realizar valores espirituais permanentes. A vida é simples, mas isto não quer dizer que seja fácil. É possível entender que a vida é simples, mas não é possível explicar. Por isto nem vou iniciar uma explicação e, esta parte, esta descoberta, deixo como última lição de casa da graduação e primeira de sua vida profissional.
Gostaria apenas de deixar algumas sugestões, para execução desta tarefa de casa: busquem sempre simplificar a vida, busquem sempre ser pessoas confiáveis, cultivem o respeito e não tenham medo de amar, pois como está escrito “Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.”
Por isto amem, mas amem sem apego, para seguir vosso caminho e permitir que os outros sigam os seus. Assim ninguém sofrerá nas despedidas, pois saberão que mais à frente se alegrarão com os inúmeros reencontros, ao longo desta vida e da eternidade.

MUITO OBRIGADO!